Skip to content

Avaliação postural em academias.

24/01/2010

Avaliação postural em academias de ginástica.

É o seu primeiro contato dentro de uma academia, ou pelo menos deveria ser. Geralmente dura entre 45 minutos e uma hora. Serve como registro da sua aptidão física (resistência cardiorrespiratória, força/resistência muscular e flexibilidade são os componentes que caracterizam a aptidão física relacionada à saúde).

A avaliação postural é feita sem muita precisão e seus resultados não interferem ou direcionam o programa de treino. A avaliação física das academias não tem a pretensão de diagnosticar desvios posturais com intuito de tratá-los ou de prescrever exercícios corretivos. Normalmente, essa avaliação deixa passar desvios, assimetrias e compensações posturais importantes.

Acontece que esses desvios merecem muito cuidado, quando se trata de definir o trabalho com pesos, os alongamentos, a corrida e até mesmo a “simples” caminhada.

O fato de o aluno estar mais ou menos “torto”, que parece sem relevância num primeiro momento, pode vir a se tornar um grande problema.

Segundo ortopedistas, é grande o numero de freqüentadores de academia que surgem lesionados nos consultórios.

Essa realidade levanta algumas questões:

_ o indivíduo chegou saudável na academia ou apresentava lesões crônicas pré-existentes? (sabe-se que a partir dos 50 anos, mais de 50% da população tem algum tipo de artrose)

_ a avaliação inicial não notou nenhuma situação de risco na postura do aluno?

_ a avaliação postural, da maneira como é feita hoje em academias, tem condição de detectar esse tipo de informação?

_ a academia desaconselhou alguma atividade ou exercício para aquele aluno, sem que o aluno passasse antes por uma avaliação feita por um fisioterapeuta ou ortopedista? (eu nunca vi isso!)

Mas, quando se faz esse questionamento, o que se escuta é que “o aluno é muito teimoso”.

Dizem que o aluno não seguiu as recomendações da avaliação física; que o instrutor ensinou corretamente como o aluno deveria se posicionar diante da carga extra, levando em consideração sua postura, mas que ele esqueceu… Ou, talvez, o aluno se machucou porque queria ficar forte a qualquer custo, encontrou um programa na internet para emagrecer 10 quilos em 10 semanas, treinando para a maratona de Chicago…

Será  que é tudo culpa do aluno?

Infelizmente, a formação do profissional de atividade física é muito deficitária em relação à qualidade do movimento. Esse profissional só  irá estudar sobre avaliação postural quando ingressar em alguma academia. Na universidade, pouco se discute sobre o que alguns movimentos podem causar, a longo prazo, em músculos e articulações. A relação entre exercícios e saúde articular não é estudada.

Resultado: é cada vez mais precoce o aparecimento de lesões degenerativas (menisco, artroses na coluna, joelhos e quadris) em indivíduos que treinaram em academias por muito tempo (ou nem tanto tempo assim).

A avaliação, além de detectar as alterações posturais características de cada pessoa (as chamadas “alterações estáticas”), deve fornecer subsídios importantes ao treinador, para que este não agrave ou perpetue algum quadro que possa levar a uma lesão grave, algum tempo depois.

As informações devem ser precisas, tanto para o aluno quanto para o instrutor. Os exercícios devem ser ensinados de maneira a não exigirem demasiadamente de regiões que, em função da postura particular de cada um, já são muito solicitadas no dia a dia.

Se você  treina e sente dor, alguma coisa está errada. Questione seu professor, seu médico ou fisioterapeuta. A dor intermitente (vai e volta) pode ser um sinal de que uma lesão está se formando vagarosamente, mas de maneira irreversível. Uma avaliação postural deve ser capaz de diagnosticar aspectos de risco para o sistema ósseo, muscular e articular. Pense nisso. Ou você acredita que uma hérnia apareceu ali, na sua coluna, da noite para o dia?

Um grande abraço,

Luiz Fernando.

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. Maria Cristina permalink
    07/02/2010 16:56

    Muito bom Luis. Vc. tem toda a razão! Vc. não está falando de uma realidade das academias pequenas. Pelo contrário, isso é uma realidade das grandes academias – aquelas que tem sala de personal e tudo mais. Durante anos tive problema de joelho e como amo correr, sempre tinha que parar de correr, qdo estava justamente melhorando meu tempo. Agora, com o trabalho desenvolvido por vc, Marcelo e Alexandre – o método da Força Dinâmica – consegui voltar a correr e SEM DOR!!! Impressionante! Muito obrigada ! Cris

  2. flavia permalink
    08/02/2010 0:25

    minha experiência de avaliação em academia é aquela coisa igual a exame médico de clube: só para constar, só pró-forma, sem nenhuma profundidade. isso precisa mudar! parabéns pela iniciativa,
    abraço
    flavia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: